sexta-feira, 31 de maio de 2013

A Índia se torna a terceira maior economia do mundo

Índia superou o Japão se tornando a terceira maior economia do mundo, atrás os EUA e China, informou quinta-feira a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).



"A China provavelmente vai ultrapassar os Estados Unidos como a maior economia nos próximos anos, a Índia recentemente ultrapassou o Japão, por isso ocupa o terceiro lugar", disse em seu relatório anual, a organização econômica internacional, com sede em Paris.

A OCDE revelou esta informação, embora, em sua especulação, reduziu previsão de crescimento econômico da Índia para 2013 a 5,3%.

Segundo a OCDE, até meados de 2020, a China terá a maior taxa de crescimento, entre outros poderes econômicos, mas a partir daí poderá ser ultrapassado pela Índia.

A economia emergente da Índia, atualmente, é o terceira na Ásia e quinto no mundo em termos de paridade do poder de compra e teve um crescimento de 6,7% no Produto Interno Bruto (PIB) em 2012.

Via HispanTV

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Rússia adverte Obama - Guerra mundial por causa do "apocalipse apícola" em breve

Os minutos chocantes relacionados à reunião do presidente Putin na semana passada com o Secretário de Estado dos EUA John Kerry revela a "extrema indignação" sobre a contínua proteção que o regime de Obama oferece às gigantes globais de sementes e plantas Syngenta e Monsanto frente ao crescente "apocalipse apícola" o qual o Kremlin alerta que "certamente" levará a uma guerra mundial.



De acordo com a ata, divulgada no Kremlin hoje pelo Ministério dos Recursos Naturais e Meio Ambiente da Federação Russa (MNRE), Putin estava tão revoltado com a recusa do regime de Obama em discutir este assunto tão grave que ele recusou por três horas até mesmo se reunir com Kerry, que viajou a Moscou em uma missão diplomática programada, mas depois cedeu, de forma a não provocar um racha ainda maior entre as duas nações.

No centro dessa disputa entre a Rússia e os EUA, este relatório MNRE diz, é a "prova incontestável" de que uma classe de inseticidas neuro-ativa quimicamente relacionados com a nicotina, conhecidos como neonicotinoides, está destruindo nossa população de abelhas do planeta, e que se não for devidamente controlado pode destruir a capacidade do nosso mundo de produzir alimentos suficientes para alimentar sua população.

Tão grave que esta situação se tornou, os relatórios MNRE, a Comissão Europeia (CE) inteira instituiu na semana passada uma proibição preventiva de dois anos (previsto para começar em 1 º de dezembro de 2013) sobre esses pesticidas "exterminador de abelhas" seguindo o exemplo da Suíça, França, Itália, Rússia, Eslovênia e Ucrânia, os quais já haviam banido estes mais perigosos dos organismos geneticamente modificados de serem usados no continente.

Dois dos mais temidos neonicotinoides banidos foram o Actara e o Cruiser feitos pela global bio-tech e fabricante de pesticidas a gigante suíça Syngenta AG que emprega mais de 26 mil pessoas em mais de 90 países e ocupa a terceira posição no total de vendas globais no mercado de sementes agrícolas.

Importante observar este relatório diz, é que a Syngenta, junto com as gigante bio-tech Monsanto, Bayer, Dow e DuPont, agora controlam quase 100% do mercado global de pesticidas geneticamente modificados, plantas e sementes.

Também é digno de nota sobre a Syngenta, o relatório continua, é que em 2012 ele foi acusada criminalmente na Alemanha por ocultar o fato que seu milho geneticamente modificado matou o gado, e estabeleceu-se um processo de ação coletiva nos EUA em 105 milhões de dólares depois que se descobriu que tinha contaminado o abastecimento potável de cerca de 52 milhões de americanos em mais de 2.000 distritos de água com o seu herbicida Atrazina.

De como incrivelmente assustadora esta situação é, o MNRE diz, pode ser visto no relatório divulgado em março deste ano pela American Bird Conservancy (ABC), em que eles alertaram que todo o nosso planeta está em perigo, e como se pode, em parte, leia-se:

"Como parte de um estudo sobre os impactos das mais utilizada classes de inseticidas no mundo, produtos químicos da nicotina, chamado neonicotinóides, American Bird Conservancy (ABC) pediu a proibição de seu uso como tratamento de sementes e a suspensão de todos os pedidos pendentes uma revisão independente dos efeitos dos produtos nas aves, invertebrados terrestres e aquáticos, e outros animais selvagens.

Está claro que estes produtos químicos têm o potencial de afetar toda a cadeia alimentar. A persistência ambiental dos neonicotinóides, a sua propensão ao escoamento e infiltração de águas subterrâneas, e seu modo cumulativo e em grande parte irreversível de ação em invertebrados levantam preocupações ambientais significativas " disse Cynthia Palmer, co-autora do relatório e Gerente do Programa de Pesticidas da ABC, uma das principais organizações de conservação de aves daquele país.

ABC comissionou o mundialmente renomado toxicologista ambiental Dr. Pierre Mineau para realizar a pesquisa. O relatório de 100 páginas, "O impacto dos inseticidas mais amplamente usado da nação em pássaros", analisa 200 estudos sobre os neonicotinóides, incluindo a investigação industrial obtida através da Lei de Liberdade de Informação dos EUA. O relatório avalia o risco toxicológico para as aves e os sistemas aquáticos e inclui extensas comparações com os pesticidas mais velhos que os neonicotinóides têm substituído. A avaliação conclui que os neonicotinóides são letais para as aves e para os sistemas aquáticos dos quais elas dependem.



"Um único grão de milho coberto por neonicotinóide pode matar um pássaro" disse Palmer. "Mesmo um pequeno grão de trigo ou canola tratado com os antigos neonicotinóides - chamados imidacloprid - podem envenenar fatalmente um pássaro. E um pouco como 10% de um milho coberto de neonicotinóide plantado por dia durante uma estação de ovulação é o bastante para afetar a reprodução".

O novo relatório conclui que os níveis de contaminação por neonicotinóides tanto em água superficial quanto subterrânea nos Estados Unidos e ao redor do mundo já estão para além do limiar encontrado para matar muitos invertebrados aquáticos.

Seguindo rapidamente este relatório condenatório, o MRNE diz, um grande grupo de grupo de apicultores e ambientalistas americanos processou o regime Obama pelo uso continuo desses neonicotinóides afirmando: "Estamos levando a EPA para o tribunal por sua incapacidade de proteger as abelhas de pesticidas. Apesar de nossos melhores esforços para alertar a agência sobre os problemas gerados pelos neonicotinóides, a EPA continua a ignorar os sinais claros de um sistema agrícola em apuros ".

E quão mal o sistema agrícola do mundo tornou-se devido a estas plantas geneticamente modificadas, pesticidas e sementes, este relatório continua, como visto pela proposta da CE na semana passada, após a sua proibição de neonicotinóides, em que pretende criminalizar quase todas as sementes e plantas não registradas com a União Europeia, e como podemos, em parte, leia-se:

"A Europa está correndo para os bons velhos tempos de 1939, 40 ... A nova lei proposta pela Comissão Europeia tornaria ilegal a plantar, reproduzir ou comercializar as sementes vegetais que não foram testadas, aprovadas e aceitas pela nova burocracia da UE denominado "Agência de Variedades Vegetais da UE".

Chama-se a Lei do Direito Reprodutivo do Plantio, e ela tenta imputar ao governo o encargo de praticamente todas as plantas e sementes. Jardineiros que cultivam suas próprias plantas a partir de sementes não regulamentadas seriam considerados criminosos nos termos desta lei".

O relatório do MRNE aponta que, embora essa ação da CE parece draconiana, contudo, é necessária a fim de limpar o continente da contínua contaminação dessas geneticamente criadas "sementes monstruosas".

Mais desconcertante em tudo isso, o MRNE diz, e que levou Putin à ira com os EUA, tem sido os esforços da administração de Obama para proteger os lucros dos produtores de pesticidas acima do prejuízo catastrófico que está sendo feito no meio ambiente, e como o Guardian News detalhada em seu artigo de 02 de maio intitulado "EUA rejeita a alegação de inseticida da UE como principal razão para o distúrbio do colapso das colônias (de abelhas)" e que, em parte, diz:

"A União Europeia votou esta semana pela suspensão de dois anos para uma classe de pesticidas, conhecidos como neonicotinóides, que tem sido associados com o colapso das abelhas. O relatório do governo dos EUA, ao contrário, encontrei várias causas para o colapso das abelhas ".

Para a "mais verdadeira" razão da proteção de Obama a esses gigantes bio-tecnologicos destruindo nosso mundo, o MRNE diz, como pode ser visto no relatório intitulado "Como é que Barack Obama se tornou o homem da Monsanto em Washington?" E que diz:

"Depois de sua vitória na eleição de 2008, Obama encheu os postos-chave com pessoas Monsanto, em agências federais que exercem uma força tremenda em questões alimentares, o USDA e o FDA: No USDA, como o diretor do Instituto Nacional de Alimentação e Agricultura, Roger Beachy, ex-diretor da Monsanto Danforth Center. Como vice-comissário da FDA, o czar das novas questões de segurança alimentar, o infame Michael Taylor, ex-vice-presidente de políticas públicas da Monsanto. Taylor foi fundamental na obtenção de aprovação do hormônio de crescimento bovino geneticamente modificado da Monsanto ".

E ainda pior, depois que a Rússia suspendeu a importação e uso do milho geneticamente modificado da Monsanto, após um estudo sugerindo uma ligação ao câncer de mama e danos em órgãos, em setembro passado, o serviço de notícias Russia Today informou sobre a resposta Obama:

"A Câmara dos Deputados dos EUA aprovou discretamente uma adição de última hora para o Lei de Apropriação Agrícola para 2013 na semana passada - incluindo uma provisão proteger sementes geneticamente modificadas de processos judiciais frente a riscos à saúde.

O piloto, que é oficialmente conhecido como o Garantia de Provisão ao Fazendeiro, foi ridicularizado pelos adversários do lobby da biotecnologia como a "Lei de Proteção de Monsanto", como ele iria tirar tribunais federais a autoridade de suspender imediatamente o plantio e comercialização de organismos geneticamente modificados (OGM ) colheita de sementes, independentemente de quaisquer preocupações com a saúde do consumidor.

A provisão, também denunciada como um "piloto de biotecnologia", deveria ter ido através dos Comitês Agrícolas Judiciários para revisão. Em vez disso, não foram realizadas nenhuma audiência, e era evidentemente desconhecida para a maioria dos democratas (que detêm a maioria no Senado), antes de sua aprovação como parte do RH 993, o projeto de lei de financiamento de curto prazo, que foi aprovado para evitar um desligamento do governo federal ".

Em 26 de março, Obama assinou discretamente este "Ato de Proteção à Monsanto" em lei garantindo, assim, que o povo americano não tenha nenhum recurso contra esse gigante bio-tecnológico, e que eles adoeçam as dezenas de milhões, muitos milhões e certamente acabem morrendo pelo que este relatório do MRNE chama de o maior apocalipse agrícola na história humana com que mais de 90% da população selvagem de abelhas em os EUA já morreram, e até 80% das abelhas domésticas ter morrido também.

Via EU Times

Tradução por Conan Hades

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Agente multando carros destruídos durante tumultos violentos na Suécia

Na semana passada, jovens imigrantes se revoltaram na Suécia. Motins que incluíram a quebra de janelas, jogar pedras contra a polícia, destruição de propriedade e queima de carros. A polícia sueca diz à Associated Press que cerca de 220 crimes foram relatados durante o tumulto violento.



Mas ao invés de reprimir os criminosos, as autoridades estavam ocupadas emitindo de bilhetes de estacionamento em carros que foram queimados pelos manifestantes. O site conservador sueco FriaTider relata que os proprietários de alguns carros destruídos nos motins foram multados por estacionamento ilegal, enquanto a polícia sueca descreveu uma abordagem discreta aos próprios manifestantes. Seu repórter abordou uma agente estacionamento no ato da emissão dos bilhetes, e tiro uma foto, publicada acima a manchete "Parking Tickets Issued on Wrecks While Stockholm Burns."

Os tumultos ocorreram nos subúrbios povoados predominantemente por imigrantes na da capital Estocolmo. Junto com outras agências de notícias, a Associated Press reporta que os tumultos começaram depois que policiais "mataram a tiros um homem empunhando a faca que tinha se trancado em seu apartamento. alguns residentes acusaram a polícia de violência desnecessária ao tentar prendê-lo e os outros disseram que os policiais, que reagiram à violência nas ruas, foram supostamente ouvidos proferindo insultos racistas".

Os suecos têm expressado choque para com aqueles a quem receberam no país e deram benefícios sociais generosos, e estão agora se voltando contra as autoridades que os apoiavam.

De acordo com a AP, em Husby, no subúrbio de Estocolmo, onde o tumulto começou na semana passada, cerca de 80 por cento dos residentes ou são imigrantes ou são filhos de imigrantes.

Via The Blaze

sábado, 25 de maio de 2013

Inteligência alemã prevê vitória definitiva do exército Sírio

O chefe de do Serviço de Inteligência Externa Alemã (BND), Gerhard Schindler, considera que o exército da Síria será capaz de obter vitória definitiva contra os grupos rebeldes antes do fim de 2013.

Segundo o chefe de inteligência alemã, por enquanto, o Governo do presidente Bashar al-Assad é mais estável do que foi durante muito tempo.



A edição digital do "Der Spiegel" informou quarta-feira que o chefe do BND, durante suas declarações aos oficiais de segurança, teve uma mudança de opinião a respeito do verão passado, quando predisse que o Governo de Damasco cairia no início de 2013.

Schindler declarou que os grupos armados na Síria, que incluem afiliados à al-Qaeda, enfrentam dificuldades extremas em sua guerra.

A autoridade alemã considerou que os diferentes grupos armados lutam entre si, para obter o controle de certas zonas, e destacou a falta de uma rede funcional de comando entre os líderes da oposição síria, apoiada pelos estrangeiros, e seus elementos armados dentro do país, ao apontar que cada novo conflito debilita mais os rebeldes.

O chefe do BND deu prognóstico para que no final de 2013, o Exército Sírio retomará o controle de sul do país se a situação continuar como nas últimas semanas.

Schindler afirmou que os militares conseguiram cortar as linhas de fornecimento de armas e rotas de evacuação dos rebeldes feridos até os países vizinhos.

Cabe mencionar que, durante os últimos dias, as forças de segurança sírias provocaram grandes perdas entre os grupos armados no estratégico distrito de AL-Qusair, perto da fronteira com o Líbano.

Por sua vez, al-Assad enfatizou quinta sua determinação de continuar a luta contra o terrorismo, enquanto reiterou que a crise que atinge o país deve ser resolvida por vias políticas.

O país árabe, que desde meados de março de 2011 vive uma onda de violência organizada e patrocinada por alguns países do ocidente e da região, cujo objetivo e culpar o Governo de Damasco pela crise, possibilitando assim uma intervenção militar estrangeira.

Via HispanTV

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Projeto IIRSA, plano de mega-saqueio da América do Sul

IIRSA (Iniciativa para a Integração da Infra-estrutura Regional Sul-Americana) é um conjunto de mais de 500 projetos organizados em dez Eixos de Integração e Desenvolvimento (EID).

Com um custo aproximado de 75 bilhões de dólares, busca eliminar as "barreiras" naturais que impedem a livre circulação de mercadorias entre as diferentes "ilhas" que compõem a região.

Os EID, ademais, se estruturam em sete "processos setoriais" que buscam organizar o espaço geográfico em base ao desenvolvimento de uma infra-estrutura física de transporte terrestre, aéreo e fluvial - projetos que representam 87% do IIRSA - e de oleodutos, gasodutos, portos marítimos e fluviais, linhas de energia e fibra ótica, usinas hidroelétricas, mineração, soja e transgênicos (Monsanto mediador) entre outros.

Segundo dados fornecidos em dezembro de 2010, 75% dos projetos apresentam avanços concretos, com 22% concluídos, 39% em execução e 25% em preparação.



Na realidade e sob esse roupagem de desenvolvimento blabla, se escondem os grandes grupos de poder econômico representados por: Paul Wolfowitz, presidente do Banco Mundial; Donald Rumsfeld, ex-secretário de Defesa dos Estados Unidos; David Rockefeller, ex-responsável pelo Chase Manhattan Bank; Henry Kissinger, ex-Secretário de Estado dos EUA; Alan Greenspan, governador do Banco da Reserva Federal dos EUA; Rodrigo Rato, diretor gerente do FMI; Jacques Chirac, ex-presidente da França; o multimilionário húngaro George Soros; a Rainha Sofia da Espanha e os Rothschild, uma dinastia européia de origem judaico-alemã alguns de cujos integrantes fundaram bancos e instituições financeiras no final do século XVIII, e acabou convertendo-se, no final do século XIX, em uma das mais influentes linhagens de banqueiros e financistas da Europa; e Bill Gates, os quais são os gestores desse plano sistemático mundial (a famosa Nova Ordem Mundial) de extrativismo, apropriação de bens comuns como água e territórios, para seguir a saga acumulativa, especuladora e elitista que só busca o bem-estar dessa minoria (1%) do mundo "civilizado", em detrimento dos pobres do mundo.

Para o ano de 2008 o IIRSA contava com 51 projetos concluídos, 196 em fase de execução e 107 em fase de preparação e estudos. IIRSA (2008) A construção de infra-estrutura é realizada através do método de mega-projetos que implicaria um custo de 37 bilhões dólares aumentando em 6% a dívida externa da América do Sul. Bartesaghi, et Ali (14:2006).

A ideia da iniciativa é reduzir os custos de produção da EXTRAÇÃO dos recursos naturais do continente. A infra-estrutura (fibra óptica, telecomunicações, etc) é distribuída pelas áreas ricas em recursos estratégicos e é encaminhada através de transportes multimodal até os portos que permitem o comércio extra-regional.

Se privilegia os acesso ao petróleo, os minerais, a água, à produção agrícola e à biodiversidade (o tráfico para os EUA, Canadá, especialmente no contexto americano, e a países de maior consumo mundial como Índia, China, França, Itália, Alemanha e Japão, e em menor medida, o mercado internacional).

É instrutivo a este respeito o anúncio criado pela empresa Syngnta intitulado "República Unida da Soja", no qual mostra um mapa com a região do Cone Sul de soja verde pintado com território autônomo inclusive com uma bandeira que representa uma semente no fundo verde.

O valor da natureza é dirigida diretamente para o mercado e não para serviços ambientais ou sua importância cultural. Projetos anteriores envolveram uma mobilização significativa dos povos indígenas, camponeses a mercê do aumento da concentração de terras e o deslocamento da produção ineficiente.

A biodiversidade é um produto para se apropriar ou como um destino para populações de altos recursos ou por patentes e biopirataria sobre os corpos e os conhecimentos utilizados pelos povos nativos.

O impacto econômico nas grandes cidades será o grande diferencial, por um lado, a burguesia local vai experimentar um aumento dos lucros, graças às suas ligações com o capital internacional. A classe trabalhadora e média se verá beneficiada em primeiro momento pela construção de infra-estrutura por mais mão de obra, mas a medida que começar operar será gerada uma queda na demanda de trabalho, aumentando a eficiência da produção.

Por sua vez, os setores "ineficientes", que exigem grande número de trabalhadores, perderão para a concorrência de novas empresas aumentando a desigualdade e o desemprego. A isso soma-se o aumento das populações urbanas criadas pelo êxodo rural e a inclusão forçada no mercado grandes quantidades de população.

Os impactos podem se dividir segundo as diferentes etapas de implementação do projeto, aumentando o grau dos impactos do mesmo até o fim de sua vida com o esgotamento de recursos e o abandono da região.

Via Unidos X Peron

segunda-feira, 20 de maio de 2013

A privatização da política e o Moloque do desenvolvimento

Por Francesco Viaro

A tragédia em Bangladesh vira os holofotes para a questão da terceirização da produção de bens pelas grandes marcas. A produção de material de vestuário, máquinas e acessórios de tecnologia muitas vezes acontece em países do terceiro mundo ou os chamados emergentes, de um lado, há a razão econômica óbvia e imediata (produzir nesses países, onde as câmeras não estão ligadas, a custos baixos e manter em condições de semi-escravidão a força de trabalho), o outro é também a questão da marca.



A marca real transcende o próprio produto e torna-se uma experiência de vida, filosofia de vida e se torna parte da própria vida, transcende o produto físico, de fato, o sonho do grande guru das marcas é apenas descartar este material e vender o conceito, a experiência, a emoção que ele contém. Torna-se difícil falar de territorialidade e ligação com o território quando se trata desses gigantes, e a internet se torna o espaço ideal para as marcas, "liberta os países do mundo real, de lojas e de produção, essas marcas são livres para voar, propondo não tanto como falantes de bens ou serviços quanto como de alucinações coletivas "(1).

A política não está muito atrás e os dois mandatos de Bush Jr. têm atraído livremente a partir do modelo das hollow corporation, consultando especialistas em pesquisa de mercado e marca. Missões de proteção das fronteiras, defesa civil, de inteligência e militares no exterior têm sido concedidos ao setor privado, o diretor do Fundo para o financiamento, Mitch Daniels, expressou claramente o conceito: "o governo não tem o dever de prestação de serviços, mas certificar-se de que eles são fornecidos". Charlotte Beers, que dirigiu várias agências de publicidade, foi aceita como o subsecretária de Diplomacia e Assuntos Públicos e criticou-se a rejeição da nomeação secretário de Estado Colin Powell, com estas palavras: "Não há nada de errado com a contratação de uma pessoa que sabe como vender. Nós vendemos um produto, e precisamos de alguém que pode renovar a marca da política externa norte-americana e da diplomacia ".

A Lockheed Martin, famosa entre outras coisas, para a criação caças F-35, é a maior empresa de defesa do mundo, uma pesquisa, em 2004, do New York Times listou todas as áreas em que atua, incluindo a organização do censo nacional, a gestão dos voos espaciais e cuidados de saúde. A política de privatizações também se estende para além das fronteiras dos acionistas: a ocupação militar do Iraque tem visto um compromisso significativo de empresas privadas, como a Halliburton e Blackwater. Quando os homens da Blackwater abriram fogo na praça Nisour em Bagdá, matando dezessete civis, o governo dos EUA lavou as mãos, transferindo toda a responsabilidade sobre os contratantes e os recursos da empresa, renovando a marca e assumindo o novo nome de Xe Services.

Os ataques de 11 de setembro de 2001 abalaram a nação em torno de Bush, muito contestado e muito pouco apreciado, e reuniu muitos países europeus e não-europeus, hostis àquela administração, em volta dos EUA, de modo que a intervenção militar no Afeganistão foi aceita. A guerra do Iraque, no entanto, fez baixar novamente a estima da Casa Branca no exterior, e a longo prazo, também no seio da nação. A marca EUA foi a mínimos históricos, até que veio Obama.


Barack Obama, durante sua primeira campanha presidencial, recebeu mais financiamento de Wall Street do que qualquer outro candidato e, uma vez eleito presidente, confirmou nos gânglios das instituições econômicas e financeiras como pessoas como Ben Barnake, e continua no caminho neoliberal. As estratégias geopolíticas americanas não mudam: hostilidade aberta em relação ao Irã, o maior uso de drones em zonas de guerra, apoio incondicional a Israel (apesar da antipatia óbvia e genuíno de Obama  por Netanyahu), oposição à um bloco unificado, Guantánamo ainda está aberta e funcionando e Obama se opõe aos processos contra os responsáveis ​​pela tortura que Bush autorizou (2).

Estamos testemunhando assim uma privatização gradual do Estado, da res publica (nota do tradutor: em latim "coisa pública") e das relações internacionais. O liberalismo econômico tornou-se um modelo para os governos ocidentais, por outro lado, o capitalismo é também o portador de sua própria antropologia, que é o Homo economicus, com sua redução de tudo a uma mercadoria, em valor econômico, resultando em uma tendência para reduzir custos. A penetração do modelo ocidental, que tem como modelo os Estados Unidos, mas os ultrapassou e os incorporou, através da proliferação das necessidades de novos bens para comprar.

O modelo de desenvolvimento sempre inclui novos consumidores e nichos de mercado em todos os cantos do mundo, porque ele precisa de um crescimento contínuo e exponencial. A crise estrutural que vivemos e o conhecimento que esse modelo de crescimento infinito não é compatível com um sistema fechado e finito, que é o nosso planeta, estão se acelerando e difundindo ideologias alternativas, como o comunitarismo e decrescimento.

Poluição e exploração do meio ambiente estão sensibilizando a opinião pública, mas realmente não põem em questão o nosso modelo, portanto, falar de desenvolvimento sustentável e economia verde, mas, como escreve Serge Latouche , "por tentar afastar magicamente os efeitos negativos da empresa de desenvolvimento, nós entramos na era do desenvolvimento com o adjetivo. [...] Atribuir um adjetivo para o conceito de desenvolvimento, não se remete à causa da acumulação capitalista. [...] Esta tarefa de redefinir o desenvolvimento [...] sempre se baseia nas idéias de cultura, natureza e justiça social. Acredita-se que seja capaz de curar um mau sucesso que o desenvolvimento de modo acidental e não congênito. [...] O desenvolvimento sustentável é o mais belo resultado desta arte de rejuvenescimento dos velhos tempos. Ilustra perfeitamente o processo de eufemização através de adjetivos destinados a mudar as palavras, mas não as coisas".

Então, o que é uma alternativa credível para o modelo de desenvolvimento? O ponto é este: não é uma grande potência ou um continente, uma confederação de estados e nações que podem oferecer-lhes tal uma. O bloco soviético ruiu, desabou o contraste entre dois grandes modelos e o que sobreviveu invadiu o mundo, embora com adaptações especiais. Trata-se, portanto, de encontrar uma maneira que não colocar o foco em mercados e lucros, mas a comunidade, identidade e não ver o planeta ao mesmo tempo como uma mina para explorar indefinidamente e como aterro.

Via Eurasia Rivista

Tradução por Conan Hades


(1)N. Klein, No Logo, p. 53
(2) http://www.eurasia-rivista.org/il-marchio-statunitense/18674/



sexta-feira, 17 de maio de 2013

Rússia envia armamento pesado à Síria



Rússia enviou para Síria sofisticados mísseis anti-barcos que reforçam as defesas sírias na costa, segundo funcionários estadounidenses nesta Sexta.

As mesmas fontes consideram que este arsenal poderia ser utilizado por Damasco para contra contrariar qualquer possível intervenção militar estrangeira na Síria.

A primeira rede de noticiar sobre isto foi a The New York Times que, citando um funcionário estadounidense que preferiu manter o anonimato, assegura que os últimos mísseis terra-ar Yakhont que Moscou forneceu à Síria foram entregues recentemente.

O Yakhont é um míssil guiado por radar, supersônico e desenhado para a defesa costeira. Dependendo de sua trajetória, tem uma capacidade dentre 120 e 300km. Informantes dos EUA enfatizam na implicação desta entrega e o aumento das capacidades militares do governo de Assad para se defender longe das costas da Síria.

Reforça as Defesas de Damasco

Por sua vez, o Pentágono transferiu sua preocupação de que este envio poderia levantar a moral do regime sírio e evitar sua queda.

"É um verdadeiro assassino de barcos", comentou Nick Brown, o editor chefe da influente revista especializada em armamento Jane. "Permitirá ao regime dissuadir às forças estrangeiras que buscam prover a oposição do mar, ou de levar a cabo um papel mais ativo se uma zona de exclusão aérea e um embargo de envio seriam declarados em algum momento".

Alguns analistas ressaltam que o significado real destes informes é duplo. Em primeiro lugar, mostram o constante desejo da Rússia de garantir que não haja intervenção ocidental na Síria como ocorreu na Líbia. Por outro lado, preocupa também que os mísseis Yakhont podem ser entregues à milícia libanesa de Hezbolá, aliado da Síria e que recentemente advertiu que Damasco lhe entregará armamento mais sofisticado.

Por outro lado, o jornal estadounidense The Wall Street Journal informou que Moscou transferiu pelo menos uma dezena de barcos de guerra para patrulhar as águas próximas a sua base naval russa na cidade síria de Tartus.

Moscou não se pronuncia

Ainda que Moscou tenha feito uma declaração formal a respeito, o ministro Exterior da Rússia, Sergei Lavrov, assegurou que o fornecimento russo não rompe com as regras internacionais, ainda que não haja precisado mais detalhes. "Não ocultamos que fornecemos armas a Síria em virtude de contratos firmados anteriormente, sem violar os acordos internacionais, ou nossa própria legislação", disse Lavrov, segundo informa BBC.

Via ANN

José Mujica se opõe à maconha e ao aborto, mas prefere legalizar

O presidente uruguaio José Mujica disse que se opõe ao consumo de maconha e à prática do aborto, mas que prefere legalizar ambas para que não "cresçam nas sombras" e causem maior dano à população.



A maconha é "uma praga" mas o narcotráfico é "muito pior", disse o presidente em referência a seu projeto de lei para legalizar o consumo e a venda de cannabis, cedendo o controle do setor ao Estado.

Em entrevista com a agência EFE, Mujica afirmou que não defende "nenhum vício". Entretanto, para ele o narcotráfico é um "problema maior" que o consumo da maconha ou de outras drogas pois "tende a se multiplicar" o grau de violência na sociedade "e é uma doença que se alastra por baixo".

"Planejamos a hipótese de regular o mercado da maconha como uma tentativa de tomá-lo (dos traficantes", justificou.

Um projeto de lei apresentado no ano passado e que é analisado no Parlamento uruguaio autoriza o Estado a assumir o controle das atividades de importação, exportação, plantação, cultivo, colheita, produção, aquisição, armazenamento, comercialização e distribuição da cannabis e seus derivados".

Sobre o aborto, Mujica disse que "passa algo parecido". Contra esse fenômeno "estamos todos", mas por "barreiras sociais, econômicos ou outros" se seguiam realizando abortos "nas sombras".

No ano passado o Parlamento descriminalizou a interrupção da gravidez até a 12ª semana da gestação, sempre que se sigam certos procedimentos regulados pelo Estado.

Via RT

Cúpula militar dos EUA envergonhada por abusos sexuais

 
 Os líderes militares dos Estados Unidos estão "envergonhados" de sua incapacidade para acabar com as agressões sexuais que ultimamente aumentaram dentro das forças armadas deste país, refletiu  nesta Quinta o presidente do país norteamericano Barack Obama.

"A questão dos abusos sexuais socava a confiança nos corpos militares. Não só é um crime, não só é vergonhoso e desonroso, mas além disso faz com que nossas tropas sejam menos eficazes", afirmou Obama perante os jornalistas depois de uma reunião com os chefes militares na Casa Branca.

O líder estadounidense lançou estas declarações depois de que se registrara uma considerada cifra dos escândalos sexuais entre as FA dos EUA, uma situação que preocupa o Congresso do país norteamericano.

Obama aceitou que este problema não tem uma solução a curto prazo, disse que vai se "requerir um esforço sustentado durante um longo período de tempo".

Agregou que pediu ao secretário de Defesa, Chuck Hagel, e ao chefe do Estado Maior Conjunto, o general Martin Dempsey, liderar um processo para acabar com as agressões sexuais dentro do exército.

"Eles se preocupam e estão molestados por isso", disse Obama na Casa Branca, depois de manter uma reunião com os líderes mais importantes de Defesa para abordar este problema.

A reunião teve lugar em raiz de um informe emitido pelo Pentágono, segundo o qual, ao menos 26.000 militares podem ter sido objeto de assalto sexual durante o ano passado.

O informe revela que em 2010 foram registrados 19.100 casos de escândalos sexuais, enquanto que em 2012 está cifra chegou a 26.000.


Via Hispantv

Rússia envia navios de guerra em apoio à Síria


Mísseis de cruzeiro antinavais Yakhont poderiam dificultar que os EUA e seus aliados impusessem embargo naval ou lançassem ataques aéreos em apoio aos rebeldes sírios

DefesaNet


A Rússia enviou avançados mísseis antinavais de cruzeiro para a Síria, uma medida que ilustra a profundidade de seu apoio ao governo liderado pelo presidente Bashar al-Assad, disseram funcionários dos EUA na quinta-feira.

Previamente a Rússia já havia fornecido os mísseis Yakhont, como a arma é conhecida, à Síria. Mas os mísseis recentemente entregues contêm um radar avançado que os torna ainda mais eficientes, de acordo com funcionários americanos familiarizados com informações confidenciais de inteligência que falaram sob condição de anonimato.

O fornecimento dos mísseis Yakhont “contribui para as capacidades militares gerais da Síria, mas especificamente isso pressionaria a atividade naval Ocidental ou de seus aliados para mais longe da costa", disse Jeffrey White, membro do Instituto de Washington para a Política do Oriente Médio e ex-funcionário graduado de inteligência dos EUA. O fornecimento, acrescentou, também era "um sinal do compromisso russo com o governo sírio".

A informação sobre o fornecimento surge enquanto EUA e a Rússia planejam reunir uma conferência internacional com o objetivo de pôr fim ao brutal conflito sírio , que deixou mais de 70 mil mortos. Espera-se que essa conferência ocorra no início de junho e inclua representantes do governo Assad e da oposição síria.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, repetidamente disse que esse encontro é a esperança de Washington de mudar os "cálculos" de Assad sobre sua habilidade de manter-se no poder, abrindo caminho para que possam ser negociados os passos para que um governo transitório governe a Síria no período pós-Assad.

Mas o fluxo de armas iranianas e russas à Síria, disseram funcionários americanos, estimulou a aparente crença de Assad de que pode vencer militarmente.

A Rússia vem apoiando o governo de Assad diplomaticamente e tem interesses antigos na Síria, incluindo uma base naval em Tartus. Na ONU, os russos recentemente bloquearam propostas para que o Conselho de Segurança montasse uma viagem de verificação de fatos a Jordânia , Turquia e Líbano para investigar a onda de refugiados, de acordo com diplomatas ocidentais.

A Jordânia solicitou a visita da ONU para reforçar o argumento de que a situação dos refugiados era uma ameaça à estabilidade na região, mas a Rússia disse que a viagem estava além do mandato do Conselho de Segurança, afirmaram diplomatas.

Quando alegações de que o regime de Assad usou armas químicas surgiram, a Rússia também apoiou a recusa do governo sírio de permitir que a ONU lançasse uma ampla investigação no país, com o chanceler russo, Serguei V. Lavrov, afirmando que isso era uma tentativa de "politizar" a questão e impor o "cenário iraquiano na Síria".

A Rússia também forneceu apoio militar à Síria. Autoridades russas repetidamente disseram que estão meramente respeitando seus contratos. Mas funcionários dos EUA temem que os suprimentos têm a intenção de limitar as opções dos EUA se decidir intervir em apoio dos rebeldes.

A Rússia, por exemplo, previamente enviou mísseis terra-ar SA-17 para a Síria. Israel lançou um ataque aéreo que atingiu caminhões que transportavam essas armas perto de Damasco em janeiro. Israel não reconheceu a ação oficialmente, mas afirmou estar preparado militarmente para evitar que armamento estratégico seja enviado ao grupo militante libanês Hezbollah .

Mais recentemente, autoridades israelenses e dos EUA conclamaram a Rússia a não prosseguir com a venda de avançadas armas de defesa aérea S-300. O Kremlin acatou o pedido dos EUA de não fornecer as S-300s ao Irã, mas a negativa a essa venda, disseram analistas, aumentou a pressão dentro do Exército russo para manter a venda para a Síria.

Diferentemente do arsenal sírio de Scuds ou de outros mísseis terra-terra que o governo Assad disparou contra as forças de oposição, os mísseis antinavais Yakhont poderiam providenciar para o Exército sírio uma arma formidável para conter as forças internacionais que buscam reforçar os rebeldes da oposição por meio da imposição de um embargo naval, do estabelecimento de uma zona de exclusão aérea ou do lançamento de ataques aéreos limitados.

“Permite ao regime deter as forças estrangeiras que avaliam enviar suprimentos à oposição pelo mar ou adotar um papel mais ativo se uma zona de exclusão aérea ou um embargo naval forem declarados em algum momento", afirmou Nick Brown, editor-chefe na Revisão de Defesa Internacional do IHS Jane. “Os mísseis realmente são matadores de navios."

Enquanto a crise síria entrava em uma escalada, a Rússia gradualmente aumentou sua presença naval na região. Em janeiro, dezenas de navios foram para os mares Negro e Mediterrâneo para participar no que o Ministério da Defesa disse ser o maior exercício naval do país em décadas, testando a habilidade das embarcações de se posicionar fora das águas russas.

Um mês mais tarde, quando os exercícios acabaram, a agência de notícias do ministério disse que quatro grandes navios estavam a caminho de operações na costa síria. "Com base nos resultados dos exercícios navais", disse o ministério na época, "tomamos a decisão de manter a atividade de combate dos navios de guerra russos no Mediterrâneo".

Via Noticiasmilitares

Tropas especiais israelenses invadem Síria

Efetivos de forças especiais israelenses violaram a fronteira síria, segundo a rede estadounidense Fox News.

Uma equipe do canal que está trabalhando nos Altos do Golán, ocupados por Israel, captaram as imagens de militares israelenses regressando do território sírio.

se desconhece o objetivo da missão dos militares hebreus.

Ademais, na reportagem da Fox News se vê tanques israelenses e artilharia pesada dispostos nos Altos do Golán, nas imediações do território sírio.

A presença de armas pesadas no território em disputa é uma violação flagrante das condições da trégua de 1973. Sem embargo, os observadores da ONU em Damasco realizaram ainda uma declaração a respeito.

Na semana passada o líder do partido libanês Hezbolá, Sayed Hasan Nasralá, declarou que apoiará os esforços sírios de recuperar os Altos de Golán. Ademais, mencionou que a Síria vai fornecer a seu movimento armas especiais, que Hesbolá ainda não tem.

Enquanto Síria sangra no conflito militar que já dura mais de dois anos, a aviação israelense também entrou em cena e lançou vários ataques contra o território sírio, algo que Israel nem confirme nem desmente. Segundo fontes israelenses, os bombardeios apontavam aos comboios ou arsenais com armas destinadas ao Hezbolá.

Em resposta ao vice-primeiro ministro sírio, Qadri Jamil, informou que seu governo iniciou o recrutamento de voluntários estrangeiros para participar em operações contra Israel nos Altos de Golán.

O conflito sírio, que dura já mais de dois anos, cobrou a vida de mais de 70.000 pessoas, e quase quatro milhões foram desabrigados, segundo as cifras da ONU.

Via Terceraguerramundialsionista

NASA: Último "grande achado" em Marte seria um capacete nazista


Uma nova fotografia, difundida pela NASA, mostra um misterioso objeto, que parece um capacete nazista entre as rochas de Marte, assegura o sítio-web WhatsUpIntTheSky.

Este portal está especializado em analisar fotografias da NASA e interpretá-las.

A imagem parece mostrar um capacete do exército nazista que projeta sombra sobre a rochosa superfície marciana, dizem os especialistas do sítio web. A NASA todavia não fez nenhum comentário oficial acerca do "achado".

O vídeo subido no Youtube, uma montagem a partir de uma só imagem, provocou um grande interesse entre os usuários da Internet. Os especialistas dizem que se trata de um jogo de luzes e sombras que envolveu uma pedra no misterioso objeto.

A fotografia foi achada em Abril pelo robô explorador Curiosity, mas este não é o primeiro suposto achado incomum registrado pela sonda. Em fevereiro fotografou um objeto muito similar a um esqueleto fossilizado de lagarto e em janeiro captou a chamada 'flor de Marte', que resultou ser uma pedra de plástico da nave espacial.


Via RT

quarta-feira, 15 de maio de 2013

EUA se encontra em 74 guerras diferentes e muitas mais de maneira encoberta

Um informe publicado recentemente afirma que atualmente os Estados Unidos participam de diferentes maneiras em conflitos armados em 74 países.



"Em quantas guerras participam hoje em dia os Estados Unidos?" essa foi a pergunta levantada por Linda J. Bilmes e Michael D. Intriligator, autores do informe.

A publicação destaca que os estadunidenses contam com uma importante presença militar No Bahrein, Djibuti, Turquia, Qatar, Arábia Saudita, Kuwait, Iraque, Afeganistão, Kosovo e Quirguistão.

Assim como tem bases militares instaladas há muitos anos na Alemanha, Japão, Coréia do Sul, Itália e o Reino Unido.

De acordo com o relatório, algumas dessas instalações são realmente vastas. É o caso, por exemplo, da base aérea de Al Udeid, que serve de posto avançado para o comando central dos EUA (Centcom) e que recentemente foi ampliada para abrigar 10000 soldados e 120 aviões.

Base na Alemanha


Enquanto a Centcom opera em 20 países em todo o Oriente Médio e participa ativamente no reforço militar, programas de luta "antiterrorista", apoio logístico e financiamento militar em vários países, o comando dos EUA para a África supervisiona as relações militares com 54 países do continente.

O site Global Research afirma que a presença de forças de operações especiais aumentaram em 60 países durante o mandato de Obama.

Segundo o jornalista Jeremy Scahill, autor de 'Dirty Wars' ('guerra suja') sobre a guerra global disfarçada do governo de Obama, estas operações militares poderiam aumentar o número de áreas do mundo onde existem áreas de conflito.

Via ANN

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Síria: terrorista arranca e come coração de soldado sírio


Um vídeo terrível que circula na rede mostra um integrante dos grupos terroristas na Síria tirando e mordendo o coração de um soldado sírio.


No vídeo publicado no domingo na internet, se vê um homem com traje militar e uma faca na mão cortando o torso de um soldado morto, que mais tarde dá a volta até a câmera para mostrar o coração arrancado do peito do soldado caído.
"Juro por Deus que vamos comer seus corações e fígados..." disse o homem referindo-se aos soldados do governo sírio.

Peter Bouckaert, da organização 'Human Rights Watch' (Obersvatório de Direitos Humanos), com sede em Nova Iorque, disse que o homem que protagoniza o terrível ato inhumano foi identificado como Abu Sakkar, um dos fundadores da Brigada Faruk.

A identidade de Abu Sakkar foi confirmada por fontes militares na cidade de Homs, oeste da Síria, e por outras imagens dele em outros vídeos onde levava posto a mesma jaqueta negra e se via com os mesmos anéis na mão, como é o caso do último clipe em que aparece.

"A mutilação dos corpos dos inimigos é um crime de guerra. Mas o problema ainda mais grave é a rápida diminuição na retórica sectária e violência", agregou Bouckaert.

O pertencente à organização não-governamental de direitos humanos também acrescentou que na versão não-editada do vídeo se vê Sakkar descendo aos seus homens que massacram os soldados sírios, para comer seus corações depois de arrancá-los.

O citado material causou uma grande indignação tanto entre os partidários do presidente sírio, Bashar al Asad, como os opositores.

Desde meados de março de 2011, a Síria enfrenta uma onda de violência organizada por alguns países do Ocidente e da região, cujo objetivo é culpar o governo de Damasco da crise, e possibilitar assim uma intervenção militar estrangeira.

Até o momento diversas organizações internacionais de direitos humanos acusaram os terroristas que tratam de derrubar o legítimo presidente do governo sírio de cometerem crimes de guerra.

Vídeo (Aviso, cenas fortes)

Via Hispantv

domingo, 12 de maio de 2013

Dois ministros britânicos propõem a saída da UE

Pela manhã foi o Ministro da Educação, Michael Gove, um homem da máxima confiança do Premier David Cameron. Pela tarde, o Ministro da Defesa, Philip Hammond. Os dois declararam em público que votariam pela saída do Reino Unido da União Européia de houver um referendo. Ainda que os dois deixaram claro que antes dessa consulta deve se dar a oportunidade de negociação com a UE que defende o Premier, o qual prometeu essa consulta para 2017, suas declarações são uma constatação que o crescente êxito eleitoral do UKIP não só dividiu os conservadores, como também levaram essa divisão ao interior do gabinete.



Cameron enfrentou quarta-feira na Câmara dos Comuns uma rebelião de cinquenta de seus deputados que apresentaram uma emenda ao programa legislativo anual apresentado esta mesma semana, exigindo que o Governo aprove agora uma lei sobre o referendo. Gove disse que se absterá, uma opção permitida pelo primeiro ministro aos membros do gabinete.

O que parecia uma quimera, a saída britânica da UE, cada dia parece mais real. Graças ao UKIP e seu líder, Nigel Farage, que se situou no epicentro de Westminster sem ter nenhum deputado entre os Comuns. O segredo de seu êxito foi ligar o desencanto europeu com o medo da imigração e imputar muito populismo. Isso lhe deu um de quatro votos nas eleições municipais de 2 de maio e levou ao pânico o Partido Conservador.

A mensagem do UKIP entrou com especial força no condado de Kent, no sudeste da Inglaterra, onde passou de ter um vereador para 17. Mo Eleanor, de idade inconfessável e e presidenta do UKIP em Kent, vê a mão de Bruxelas por trás de quase todos os males britânicos e é uma ardente partidária do abandono da UE. Está no UKIP "porque quero que me devolvam o meu país", proclama. "85% das leis com as quais temos que viver foram feitas pela União Européia", se queixa. Antiga votante do Tory, começou a se afastar do partido faz alguns anos, principalmente quando o primeiro ministro John Major aceitou o Tratado de Maastricht.

Ver mais em El País

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Rafael Correa conselha a embaixador dos EUA a não interferir na política de seu país

As autoridades equatorianas se indignaram após saberem que o embaixador dos EUA em Quito interveio em um ato político interino. Vários analistas opinaram que essa atitude indica que "Washington trata de recuperar um terreno que já perdeu".



"Se continuar preocupado, o mandaremos a Washington para que se preocupe lá", anunciou o presidente equatoriano Rafael Correa, dirigindo sua mensagem ao embaixador estadunidense, Adam Naam.

Correa qualificou de grosseira a participação do diplomata estadunidense no Dia Mundial de Liberdade de Imprensa, organizado por alguns jornalistas opositores do governo. O diplomata comentou que estava preocupado com a liberdade de expressão no país. Correa respondeu que o enviado deveria fazer o seu trabalho, ao invés de participar de ações políticas antigovernamentais.

O analista internacional Luis Bilbao opina que as declarações do embaixador mostram o desespero dos EUA para recuperar a influência na América Latina que perdeu.

"Os grandes meios de comunicação controlados pelo grande capital e pelos EUA não têm a capacidade, a influência sobre a população que, em troca, se volta aos meios alternativos ou meios de menor envergadura em termos econômicos mas de um amplo alcance. Definitivamente está mudando o curso da situação da América Latina, e Estados Unidos está perdendo terreno", disse o analista ao RT.

O chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, por sua vez, se reuniu com o diplomata norte-americano para expressar o incômodo por sua conduta. "O senhor Naam tem todo o direito de fazer as reuniões que considere como embaixador, ter informação de nosso país, informação política, econômica, social, de cooperação, de todo tipo, tem todo o direito, mas não tem o direito de intervir em atividades políticas como a atividade que interveio", afirmou Patiño durante o encontro.

Via RT

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Putin: CIA está por trás das privatizações da Rússia

Por Alfredo Jalife Rahme
(Tradução por Álvaro Hauschild)

Desde sua fundação, a Agência Central de Inteligência (CIA na sigla em inglês) esteve sempre hiperativa e no olho do furacão devido a suas atividades clandestinas extracurriculares.

A lendária agência de espionagem global foi posta no pelourinho com maior intensidade pela revelação de suas práticas pouco ortodoxas, como acaba de acontecer no Afeganistão com seus obscenos subornos ao governo de Karzai (The Guardian, 30/04/2013).

De forma estrujante, Thierry Meyssan, diretor da Rede Voltaire (28/04/2013), acusa a CIA de estar por trás do polêmico atentado da maratona de Boston, cuja montagem hollywoodense apenas começa a exibir sua ponta do iceberg.

Nada deseja entorpecer a notável melhoria das relações entre Washington e Moscou, que tomaram um rumo diferente em sua colaboração frutífera tanto na desativação da escalada na península coreana - em uníssono do desmantelamento da quarta fase do polêmico desenvolvimento do escudo de mísseis antibalístico dos EUA nas fronteiras russas - como no áspero assunto do bombardeio da maratona de Boston que implicou dois jóvens chechenos radicados nos EUA - com efeitos geopolíticos no Cáucaso-Norte: primordialmente, na Ingushetia, Chechênia e Daguestão (principal faixa costeira da Rússia no mar Cáspio: uma das principais reservas de hidrocarbonetos do planeta).

No meio do degelo das relações Rússia-EUA, salpicadas de conversas telefônicas entre seus líderes em pleno romance reconciliatório, o tsar enérgico Vladimir Putin - durante sua sessão anual televisiva Perguntas e Respostas de quase cinco horas com os cidadãos - lançou uma bomba retórica na que falou abertamente que as selvagens privatizações dos 90 - que, por certo, estiveram a ponto de sepultar Rússia - foram dirigidas por conselheiros que, como se sabe agora, trabalharam como funcionários (supersic!) de carreira da CIA (Ria Novosti, 25/04/2013). Super uf!

Putin fulminou que os funcionários da CIA operaram como consultores de Anatoly Chubais, o vice-ministro, que supervisionou a privatização da Rússia em princípios da década de 90 - em semelhança, no México com Joseph-Marie Córdoba e Jacques Rogozinski, cujo resultado foi simplesmente cataclísmico.

Repórteres generosos dos multimídia na Rússia - ocultados por seus homólogos ocidentais - acusaram pontualmente dois membros da enteléquia vilipendiada USAID - que aconselharam ao governo russo sobre sua transição da economia soviética ao capitalismo - de serem os indiciados funcionários da CIA: Andrei Shleifer, professor de economia (sic) de Harvard (supersic!) e protegido do ex-secretário polêmico de Tesoro Larry Summers (anterior diretor da insígne universidade da que teve que renunciar por misoginia), e Johnathan Hay, advogado egresso também de Harvard a cargo do programa patrocinado por USAID para transformar a Rússia em uma economia de mercado pós-URSS.

Perturba a imprescindível cobertura acadêmica (sic) que requerem certo tipo de privatizações estratégicas, como foi o caso de Harvard na Rússia e do ITAM no México (documento infame Novos Horizontes, de Setembro de 2001;http://csis.org/files/media/csis/pubs/newhorizons%5B1%5D.pdf) para encobrir seus crimes.

A propósito, Harvard foi multada na corte dos EUA com 26.5 milhões de dólares por seu enriquecimento ilegal com as privatizações na Rússia. Quanto conseguirá sem multas o ITAM por seu aval à privatização dos hidrocarbonetos do México?

Com justo equilíbrio dialético, Carl Schreck, correspondente de Ria Novosti em Washington, expõe que os especialistas, (sic) sobre o escandaloso caso Harvard nos tribunais, são céticos quanto a que os conselheiros universitários de USAID do vice-primeiro ministro russo Chubais tenham sido operadores da CIA, como denunciou Putin.

Uma especialista do impúdico caso Harvard, Janine Wedel, da Universidade George Mason em Virgínia (curiosamente onde tem sua sede, a CIA) - autora de dois livros a respeito que parecem antes redenção de culpa -, argumenta que não existe evidência da vinculação com a CIA dos dois professores de Harvard, Shleifer e Hay, que operaram o programa de Harvard para as privatizações na Rússia financiadas por USAID. Por que tanto interesse monetário e ontológico da USAID na privatização da Rússia?

Shleifer e Hay foram acusados de ter desfalcado 40 milhões de dólares (nota: hão de referir aos fundos da USAID e não aos extraídos da Rússia infinitamente superiores) para seu benefício pessoal, de suas esposas, amantes (supersic!) e sócios empresariais". Haja promiscuidade financeira!

David Marsh, jornalista e autor veterano em economia, defendeu os acadêmicos Shleifer e Hay e considerou que não necessitavam ser espiões da CIA para ter linha direta com Summers. Que argumento mais estranho!

O relevante radica em que a severa acusação não foi formulada por um qualquer, mas pelo presidente da Rússia, que conhece muito bem os expedientes globais de espionagem da CIA.

Até mesmo Chubais admite que sempre tratou tais acusações como rumores (sic), mas que se o presidente o disse, isso deve ser muito sério (RIA Novosti, 26/04/2013).

Despertou, Chubais, de sua seletiva simplicidade ou simplesmente mudou de bando? Por certo, sempre evidenciei Chibais como o cavalo de Tróia das privatizações e privações da Rússia.

Como era de se esperar, os hipercorruptos acadêmicos espiões Shleifer e Hay, e a própria CIA, evitaram ser interrogados pelo rotativo russo.

O sarcasmo de Putin é infinito: "o mais divertido (sic) é que depois de terem voltado aos EUA (nota: os funcionários da CIA que nunca os identificou por seus nomes) foram desculpados nos tribunais por terem quebrado as leis e terem enriquecido com as privatizações da Federação Russa quando não tinham direito de terem feito como espiões ativos". Uf!

Interessante: Putin os identifica como espiões da CIA ao invés de acadêmicos de Harvard. Como contaminaram as universidades dos EUA e de outros lares certos tipos de crápulas com travestismo acadêmico!

Enquanto as privatizações na Rússia elevaram a uma pleiade de políticos e empresários muito bem conectados, conhecidos como oligarcas (vários deles fugiram para Israel), que enriqueceram com as joias da coroa do império soviético desmantelado, o país desapareceu na miséria e em uma era de turbulência que Putin denomina a selvagem década de 90.

A bomba Putin fará derramar muita tinta em referência a toda a epistemologia das forçadas privatizações estratégicas no mundo, que não poucas vezes estão vinculadas ao controle e aos interesses geopolíticos dos EUA e da OTAN e não têm nada que ver com artificiais supostos de pseudoeficiência econômico-financeira que promovem seus retorcidos centros acadêmicos, como Harvard e ITAM, nas negociações crapulosas do desmantelamento das estruturas estatais, como Rússia, em detrimento da ultrajada soberania e do bem comum degradado.

Via ANN

Fraude nos alimentos: adulteração de leite no RS causa tumulto

Mais uma confusão feita por fraude no leite, desta vez no Rio Grande do Sul. Empresas, produtores e transportadores acrescentam produtos cancerígenos no alimento básico com fim de aumentar o volume e, consequentemente, o lucro na venda.

Os estados do sul do Brasil sofrem de inúmeras fraudes no setor econômico, que cresceram desproporcionalmente além do crescimento da economia. O leite é apenas uma das fraudes que foram postas em público. A grande maioria das fraudes empresariais ficam cobertos pelo sistema político do país, que tende a dar liberdade a investimentos estrangeiros.

Podemos citar um caso muito próximo do setor alimentício e que abrange grande parte da economia e influencia também a política, que é a Monsanto, que provocou um golpe de Estado no Paraguai e escraviza milhares de agricultores na América do Sul, tanto na agricultura quanto na pecuária e laticínios. Muitas destas redes de fraudes circulam na região sul do país, em que o investimento econômico tende a ser foco de globalização com fim de sufocar a liberdade dos povos do Cone Sul.

Com estas fraudes, também acompanham as imigrações ilegais que abundam tanto nas capitais como no interior do país. Tudo para o controle do sistema liberal. As redes de fraudes são internacionais, e atacam os setores mais fundamentais da sociedade, que são o alimentício e o farmacêutico. Abaixo, reportagem com Rachel Sheherazade: