sábado, 25 de abril de 2015

Brasil: identidades regionais e culturais


O Brasil é uma união de múltiplas belezas, cada qual com seu sistema tradicional, com suas crenças e superstições, seu modo de ver o mundo e de vivê-lo. Mas todas são igualmente belas e sagradas, e absolutamente fundamental para você e para todos nós. Não apenas "porque sim", ou como remédio psicológico, mas como verdade e visão de mundo - querendo ou não, a tradição de cada um de nós permanece na sua alma, e ela dá significado ao mundo que vivemos. Distanciar-se da tradição é distanciar-se do mundo e de si mesmo, é perder-se. Portanto, preserve a sua tradição e seu povo e, principalmente, participe deles! Enraíze-se, prenda-se, entregue-se à beleza da sua tradição. "A beleza salvará o mundo", dizia Dostoievsky, e não há dúvida de que todos nós concordamos com ele.

A maioria das informações deste artigo foi retirada de um fórum e traduzida do inglês. Está claro que ele não abrange todas as variedades culturais da nossa bela e grande pátria; isto não quer dizer que aquelas que não aparecem aqui (como, por exemplo, as comunidades fechadas ortodoxas russas e ucranianas no Paraná, as comunidades germânicas do oeste catarinense, a variedade cultural dos indígenas no norte e centro-oeste do país e no interior nordestino, etc.) são menos importantes. Muito pelo contrário. Em outra oportunidade, esperamos publicar mais sobre elas neste blog. Por outro lado, o que está aqui é uma pequena e breve exposição das diferenças culturais entre alguns povos e tradições do Brasil; a maior parte (música, língua, religiosidade, psicologia, mitologia, lendas e contos populares, etc.), e os fundamentos históricos e culturais mesmos de cada povo e tradição, ficam ocultos.

Mas aí estão algumas identidades regionais e segmentos culturais. Claro que hoje a maioria das pessoas que vivem em cidades tendem à globalização, mas elas ainda retêm muitos aspectos das culturas regionais na qual seus ancestrais viveram antes do êxodo rural nos anos 1950.

Muitos sociologistas dividiram o Brasil em regiões distintas considerando os habitantes e seus hábitos. O trabalho mais conhecido sobre este assunto foi feito por Darcy Ribeiro (O Povo Brasileiro), onde ele dividiu o Brasil em suas maiores regiões culturais: O Caipira, O Caboclo, O Sertanejo, O Gaúcho/Sulino. Outros intelectuais do final do século XIX e início do XX descreveram, sobre as suas regiões ou de outros, traços culturais distintos, como José de Alencar (escreveu sobre o Gaúcho, embora muito tendencioso, desde que ele era do nordeste), Sílvio Romero, Monteiro Lobato (sobre o Caipira) e Euclides da Cunha (do Rio de Janeiro, mas escreveu algo sobre o Caipira de São Paulo, quando viveu em Lorena, no estado de São Paulo, e sobre o Sertanejo do interior da região do Nordeste, quando ele estava cobrindo a Revolta dos Canudos no estado da Bahia).

1 - O CAIPIRA

Originado onde hoje é o estado de São Paulo, o Caipira se espalhou por todas as áreas da região de São Paulo, especialmente no interior, no Triângulo Mineiro (Sul de Minas Gerais), Goiás, Mato Grosso do Sul, partes do Mato Grosso e no Paraná, e em algumas cidades do Rio de Janeiro próximas a São Paulo (Resende, Paraty). Os Caipiras originais foram descendentes de colonizadores brancos misturados aos ameríndios do início da colonização do estado de São Paulo. Mais tarde, os imigrantes nessas áreas foram assimilados na cultura e na identidade Caipira. O folclore Caipira é muito rico e sua música típica é representada pela música Caipira. Seus hábitos são uma mistura de traços arcaicos ibéricos com ameríndios. O dialeto Caipira, falado nas áreas onde vivem os Caipiras, é uma reminiscência de um dialeto antigo Tupi chamado Língua Geral Paulista. As áreas no litoral do estado de São Paulo e algumas cidades do Rio de Janeiro próximas a São Paulo têm uma versão similar do Caipira, o Caiçara, com alguns traços mais peculiares, mas que podem ser postos na mesma matriz.

A localização aproximativa da civilização Caipira, assim como o termo, foram cunhados pelo sociólogo Darcy Ribeiro (em vermelho):



 A área em branco no estado de São Paulo é a Região Metropolitana da cidade de São Paulo (capital do estado). Embora é onde o Caipira se originou no passado, no século XIX e nos fins dos anos 1960 essa área foi fortemente influenciada por imigrantes europeus (principalmente italianos) e perdeu muito do seu caráter Caipira. No fim dos anos 1950, essa região começou a receber migração em massa das outras regiões brasileiras (principalmente do norte de Minas Gerais e do nordeste brasileiro) e atualmente é uma área completamente cosmopolita com em torno de 20 milhões de habitantes.

Alguns ritmos musicais do Caipira:
http://www.youtube.com/watch?v=2Q6Ap_IKmYE
http://www.youtube.com/watch?v=bv3593lmltY
http://www.youtube.com/watch?v=s0SeDOjJBS0
http://www.youtube.com/watch?v=95rp7JlvRdM

Algumas imagens do Caipira:

Amácio Mazzaropi imortalizou o Caipira no cinema brasileiro. Ele nasceu na cidade de São Paulo, mas cresceu em Taubaté, na cidade de sua mãe, uma cidade considerada como um dos berços da cultura Caipira. Por toda sua vida ele foi uma das pessoas que espalharam a imagem do Caipira para outros povos.
Abaixo, pinturas de Almeida Jr.(08/05/1850, Itu - 13/11/1899, Piracicaba), ele próprio um caipira de Itu, do interior do estado de São Paulo.
A Catira (também conhecida como Cateretê) é uma dança tradicional dos Caipiras:

2 - O GAÚCHO

O habitante tradicional do estado do Rio Grande do Sul, o Gaúcho, partilha de alguns traços com os gaúchos da Argentina e do Uruguai, seus "primos", mas também com o Caipira brasileiro. O Gaúcho se espalhou pelo estado do Rio Grande do Sul e por outras áreas do país, ao longo das migrações do século XIX, como Oeste do estado de Santa Catarina e grande parte do estado do Paraná. O Gaúcho tem suas próprias tradições e seu dialeto é repleto de vocabulários distintos, como tchê (semelhante ao ché argentino), barbaridade! (encurtado para o simples bah!), etc.

Região aproximativa da civilização Gaúcha:


A área em branco no estado do Rio Grande do Sul é a Serra Gaúcha, mais influenciada pelos italianos do que pelos Gaúchos. Essa região é uma das áreas mais europeias do Brasil, além das áreas de Santa Catarina, do Paraná e do próprio Rio Grande do Sul onde se estabeleceram imigrantes alemães, poloneses e russos.

Vale notar que o Gaúcho é originado pelos hábitos dos longos campos (pampas), onde o clima, a vegetação, a fauna e a geologia peculiares, misturados pelos elementos ibéricos e ameríndios (dos quais surge a etnia Gaúcha), forma uma tradição que recorda a dos cossacos e dos tártaros, povos que tendem mais ao nomadismo, à cavalaria e à inclinação às artes com espadas e outros elementos de guerra e contemplativos.

Alguns ritmos musicais do Gaúcho:
http://www.youtube.com/watch?v=n47iU8Hj8KY
http://www.youtube.com/watch?v=y-2UfOsneug
http://www.youtube.com/watch?v=o2mWc_48jxE
http://www.youtube.com/watch?v=KI0ppcrK49E

Retrato típico do Gaúcho:


3 - O SERTANEJO

Este um preenche uma grande área no interior da maioria dos estados nordestinos, no nordeste do estado do Goiás e no norte de Minas Gerais. O Sertanejo é um homem de hábitos duros, costuma viver em áreas áridas e difíceis em geral do Sertão Nordestino, como dito pelo escritor Euclides da Cunha. Do gado eles tiram tudo que precisam para viver: alimentação e material para as roupas, que são costumeiramente feitas por couro cru. Sua música tradicional é o forró, que possui uma grande variedade de sub-gêneros.

Na imagem, em vermelho, a área aproximada da civilização Sertaneja:


Alguns ritmos musicais do Sertanejo (Forró/Baião):
http://www.youtube.com/watch?v=cWiJL0_yj9c
http://www.youtube.com/watch?v=LDph1JxVHBM
http://www.youtube.com/watch?v=EpyY_Z797UE
http://www.youtube.com/watch?v=g69wNRtgpic

Algumas imagens do Sertanejo nordestino:

4 - O CABOCLO AMAZONENSE

Este grupo é descendente principalmente da mistura entre europeus e ameríndios, com predominância da cultura ameríndia e da assimilação dos europeus para dentro da tradição ameríndia. Eles desenvolveram uma cultura conhecida como "cultura ribeirinha", que se desenvolveu próxima dos rios dos quais tiram o que precisam. Há muitos ameríndios puros entre eles, grande parte vive em reservas indígenas. Nessa região os traços ameríndios são os mais fortes em todo o território brasileiro.

Local aproximado da civilização "ribeirinha":

Alguns traços e retratos do Caboclo Amazonense:

5 - O CARIOCA ("FLUMINENSE")

Este é formado pela influência cosmopolita do Rio de Janeiro em seus aspectos cultural, linguístico, econômico e social. O Carioca foi fortemente influenciado tanto por culturas europeias como por africanas, e em um grau menor por ameríndias. Esse é o tipo cultural que o Brasil exporta para o mundo todo, sendo tomado erroneamente pela "cultura brasileira". A música popular Carioca é o Samba, mas outros muitos conhecidos ritmos brasileiros, como o Bossa-Nova, são também do Rio de Janeiro. O Samba é a música carioca por definição. Há muitos Sambistas em outras regiões, sendo originado em verdade na Bahia, mas o "centro" do Samba, o lugar onde foi reformado do modo como é conhecido hoje, foi no Rio de Janeiro, sendo exportado então para outros cantos do Brasil e do mundo.

Área aproximada da civilização Carioca:

 

As áreas em branco no Espírito Santo são regiões montanhosas habitadas por imigrantes italianos e alemães (principalmente pomeranos), dos quais se falará em seguida.

O Samba Carioca:
http://www.youtube.com/watch?v=rETSGoLBjjk
http://www.youtube.com/watch?v=DhD5FzoPgdA
http://www.youtube.com/watch?v=2Az0YHEymdU

A Bossa Nova:
http://www.youtube.com/watch?v=-11-YI0EBEs

Alguns retratos e imagens do Carioca e sua cultura:

Acima, imagens do Carnaval Carioca e, a seguir, a Bossa-Nova (que depois se modificou em MPB - Música Popular Brasileira). A música "Garota de Ipanema" talvez seja a música mais famosa da Bossa Nova.
 


 O Zé Carioca é a personificação do Carioca feita pela Walt Disney:

 6 - O CRIOULO

O Brasil Crioulo (o negro brasileiro), de acordo com Darcy Ribeiro, é a área onde a presença negra é mais forte em todo o país, e moldou a cultura mais do que qualquer outra região habitada por negros. Essa região é localizada no litoral da região nordeste do país, em cidades como Salvador, capital do estado da Bahia. Há muitas manifestações culturais dos Crioulos, como os cultos do Candomblé e da Umbanda, a Capoeira, que é uma mistura de artes marciais com música e dança. O Samba foi criado na Bahia, entretanto foi desenvolvido no Rio de Janeiro e foi lá que o segmento se tornou famoso. Outros ritmos típicos desta área costeira são o Axé e o Frevo.

Área aproximada da civilização Crioula:

Alguns ritmos (Frevo):

(Axé):

Alguns retratos do Crioulo brasileiro e dos seus hábitos:

O Frevo de Olinda e Recife, no estado do Pernambuco:
A Capoeira, típica desta região:

O Candomblé:
A Umbanda:

7 - OS AÇORIANOS

Os açorianos não foram representados por Darcy Ribeiro, que supõe que o litoral de Santa Catarina se inclui na região Sulina. Não está de todo errado, mas esta região desenvolveu uma cultura particular à parte das outras regiões brasileiras. Esta cultura foi muito influenciada pelos imigrantes açorianos (Ilha dos Açores, próxima de Portugal) que se assentaram lá no século XVIII. Santa Catarina foi o maior assentamento de açorianos no Brasil. Haviam lá poucos habitantes antes: paulistas, ameríndios, alguns espanhóis e alguns poucos negros escravos. Logo, os açorianos ultrapassaram esta população (haviam 6.071 açorianos contra 4.193 de outras origens no século XVIII). Entre os traços culturais deixados pelos açorianos em Santa Catarina estão o Boi-deMamão, o Terno de Reis e a Dança do Pau-de-Fita. Seu sotaque ainda mantém muitas influências açorianas.

Área aproximada da civilização açoriana:

Alguns retratos dos açorianos:
Um mapa mostrando a colonização de Santa Catarina. Na região costeira está escrito "Vicentistas (como os paulistas eram chamados no século XVI) e Açorianos".

8 - O MINEIRO

Embora todos os nascidos em Minas Gerais são chamados de "mineiros", este grupo se refere aos que vivem no núcleo de Minas Gerais, onde as influências de São Paulo (caipira), Rio de Janeiro (carioca) e Bahia (sertanejo) não são fortes. Esta civilização começou quando os paulistas buscavam ouro no fim do século XVII e no início do século XVIII. Os primeiros habitantes dessa região (excluindo os índios nativos), assim, foram migrantes da região de São Paulo. Uma guerra estalou entre os paulistas e o governo português para decidir quem teria o monopólio das minas de ouro, e os primeiros foram derrotados (Guerra dos Emboabas). Isto fez com que a influência paulista nesta região decaísse drasticamente, com poucos deles restando (mais assentados em regiões como Goiás ou Mato Grosso) na área de Minas Gerais. Durante todo o século XVIII, tanto os portugueses como os africanos migraram para lá. Mais ou menos 700.000 portugueses se assentaram nessa região naquele período. Um alto número de escravos africanos chegaram também. Durante o século XIX e o início do século XX, a imigração italiana também aconteceu, principalmente na nova capital do estado, Belo Horizonte. A cultura dos Mineiros tem um certo parentesco com as culturas próximas (caipira, sertanejo, etc.) e teve também uma forte influência portuguesa no século XVIII (Saint-Hilaire, um viajante francês no Brasil no início do século XIX disse que o Mineiro era bastante português na cultura e que eles, ao mesmo tempo, falavam o melhor português no Brasil, por exemplo). Essa região mantém uma das mais portuguesas arquitetura em todo o Brasil, como Ouro Preto, Mariana, São João del-Rei e assim por diante.

Área aproximada da civilização Mineira:

Algumas imagens e retratos dos Mineiros:
Pessoas em Ouro Preto:

Alguns retratos antigos
Rugendas (1835):

 9 - A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (PAULISTANA)

Essa região foi o sítio original da civilização caipira e foi parte dela até as primeiras décadas do século XX, mas devido à imigração em massa da Europa, ela perdeu a maioria dos aspectos da cultura caipira,embora manteve muitas também, mas nada em comparação às regiões que permaneceram Caipiras. A última onda de imigração foi em 1950, quando São Paulo-capital e as cidades vizinhas começaram a receber migrantes de outros estados brasileiros com diferentes culturas (como foi dito, a maioria dos migrantes vieram do norte de Minas Gerais e do sertão nordestino, regiões de predominância sertaneja), transformando essa região em um espaço completamente cosmopolita, um cruzamento de culturas europeias, asiáticas, caipira e sertaneja. Vê-se em São Paulo, hoje, pessoas de todo lugar do Brasil e do mundo. A cultura típica paulistana, aquela entre 1900 e 1960, é predominantemente europeia (italiana e portuguesa) com alguns traços menores caipiras, mas hoje se vê muitas culturas estrangeiras passeando pelas ruas de São Paulo-capital: bolivianos tocando flautas pelas praças, promotores do Forró, bairros asiáticos, locais dominados pelas tribos urbanas como o Funk, o Rap, os festivais de Rock, etc.

Área aproximada desta civilização (ou, mais atualmente, anti-civilização):
Algumas imagens. Na pintura abaixo, resquício da tradição Caipira antes do século XX.

A São Paulo europeia: nas fotos, vê-se trabalhadores italianos, predominante força de trabalho dos anos 1900 até 1920.
Abaixo, a São Paulo cosmopolitana, desprovida de tradição.

10 - O TEUTO-BRASILEIRO

Essas regiões foram habitadas e construídas quase exclusivamente por imigrantes vindos da Alemanha e da Itália desde o século XIX, e mantiveram suas influências até hoje, embora bastante enfraquecidas e em perigo de esquecimento generalizado nos dias de hoje, com a geração nascida no fim do século XX. Suas culturas derivam dos ancestrais da Alemanha, Áustria, Suíça, Polônia, Norte da Itália, etc. No entanto, apesar da forte influência europeia, esses imigrantes construíram, com a mudança climática, política e até pelo isolamento com relação à pátria antiga, uma tradição própria que se distanciou ao longo do tempo das dos seus países de origem. Além disso, enquanto a Itália e a Alemanha, ao longo do tempo, tiveram inúmeras reformas linguísticas, culturais e religiosas, os imigrantes no Brasil permaneceram em uma tradição "parada no tempo", cujos princípios mais arcaicos permitiram uma mais forte e duradoura preservação da tradição.

O problema começou na segunda guerra mundial: o governo brasileiro tratou de cortar todos os laços dos imigrantes com parentes no exterior, e de doutriná-los à força (opressão da língua original, dos costumes, festas tradicionais, obrigação da utilização da língua portuguesa, dos costumes do Estado, do dever civil, etc.) para que se misturassem ao Brasil como um todo e perdessem a identidade e a obrigação tradicional para com sua própria civilização germânica/italiana/polonesa/russa.

Abaixo, áreas aproximadas dos imigrantes da Europa Continental, a civilização Teuto-Brasileira:

Seguem imagens de descendentes de alemães em Santa Catarina (Blumenau, Joinville, Brusque, etc.)

Abaixo, Serra Gaúcha (colonizada principalmente por italianos). Nessa região, Taliano, um dialeto de Veneto, era falado até a Segunda Guerra Mundial, quando as ações nacionalistas tomadas pela ditadura do Estado Novo tornaram um crime os cidadãos brasileiros falarem italiano ou alemão nas ruas, escolas, e até mesmo em casa (casas eram invadidas e livros e documentos escritos em outra língua que não o português, quando encontrados pelos oficiais, provocavam prisão, obrigando uma queima em massa de materiais tradicionais por parte do próprio povo).


Povos de Santa Maria de Jetibá, no estado do Espírito Santo. Esta cidade, juntamente com outras cidades nas montanhas do Espírito Santo, foi colonizada por alemães, italianos e poloneses. Santa Maria é uma grande colônia de pomeranos (alemães).


Um comentário:

  1. Muito legal esse artigo! É interessante lembrar, também, a histórica influência espanhola na São Paulo de Saint-Hilaire. Note-se que na pintura do Pátio do Colégio todos os Paulistanos usam poncho e chapéus de aba larga/sombrero. Vide: http://nsportugal.forumeiros.com/t1570-vida-em-sao-paulo#58985

    ResponderExcluir